Terapia Anti-Aging

Por António Marcos, Ph.D.

I PARTE
LIVE CELL THERAPY – O QUE É?

• A TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS (TERAPIA CELULAR) É UM MÉTODO ÚNICO DE TRATAMENTO PARA DIVERSAS PATOLOGIAS ATRAVÉS DO QUAL EXTRACTOS DE CÉLULAS VIVAS SÃO ADMINISTRADOS AOS PACIENTES NA SUA FORMA NATURAL.

• APESAR DE SE TRATAR DUMA TÉCNICA TRADICIONAL (ANTIGA) NOVOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS TRANSFORMARAM-NA EM MEDICINA NATURAL DE VANGUARDA
UM POUCO DE HISTÓRIA
• TRATA-SE DUMA TERAPIA BASEADA NUMA TEORIA USADA JÁ SISTEMATICAMENTE POR HIPÓCRATES QUE UTILIZAVA O CORRESPONDENTE ÓRGÃO DE ANIMAIS SAUDÁVEIS PARA TRATAR DOENÇAS EM HUMANOS E DEFNITIVAMENTE ESTABELECIDA POR PARACELSO NO SÉC.XVI A QUEM SE ATRIBUI A FAMOSA FRASE “O coração cura o coração, o pulmão o pulmão, o baço o baço. O igual cura o igual”.
• NOMES INCONTORNÁVEIS NAS RAÍZES MAIS RECENTES DESTA TERAPIA SÃO:
• CLAUDE BERNARD (1835)
• ALEXIS CARREL E KUETTNER (1912)
• PAUL NIEHANS (1931)
A MODERNA TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS É DEFINITIVAMENTE IMPULSIONADA COM P. NIEHANS E NASCE DE FORMA ACIDENTAL:
UM JOVEM CIRURGIÃO DURANTE UMA OPERAÇÃO AO BÓCIO LESA, ACIDENTALMENTE, A PARATIRÓIDE. O PACIENTE ENTROU EM SÉRIAS CONVULSÕES PELA PROFUNDA ALTERAÇÃO DO METABOLISMO DO CÁLCIO, DE QUE AQUELA É RESPONSÁVEL (PTH).
FOI ENTÃO PEDIDA A AJUDA A NIEHANS QUE, SEM TEMPO PARA, COMO NORMALMENTE FARIA, EFECTUAR UM TRANSPLANTE, PROCEDEU à MACERAÇÃO DA PARATIRÓIDE DUM BOI, ADICIONOU UM POUCO DE SAL E INJECTOU A SOLUÇÃO NO MÚSCULO PEITORAL DO PACIENTE.
INACREDITAVELMENTE, NAS HORAS IMEDIATAMENTE SEGUINTES, O PACIENTE VIU DIMINUIR PAULATINAMENTE AS CONVULSÕES, ATÉ AO SEU DESAPARECIMENTO TOTAL.
UM PACIENTE CONDENADO À MORTE, TEVE UMA RECUPERAÇÃO TOTAL, VERIFICADA POR MAIS DE 20 ANOS.
(NIEHANS, P.: FORTY-TWO YEARS OF CELLULAR THERAPY, cit. por Wilson, J.L.: Live cell…)
• NIEHANS, AO LONGO DE 42 ANOS, APLICOU MAIS DE 45.000 TRATAMENTOS CELULARES E COLOCOU, ATÉ HOJE, A SUA CLÍNICA (LA PRAIRIE) NA SUIÇA, COMO UM DESTINO DE ELEIÇÃO DOS POUCOS PRIVILIGIADOS QUE PODEM PAGAR OS SEUS DISPENDIOSOS TRATAMENTOS, SOBRETUDO DE ANTI-ENVELHECIMENTO.
• A LONGA E ÊXITOSA EXPERIÊNCIA DE NIEHANS LEVOU-O A DEFENIR A TERAPIA CELULAR COMO:
“…um método de tratamento de todo o organismo numa perspectiva biológica, capaz de revitalizá-lo com os seus triliões de células, dando-lhe essas células embriónicas ou jovens de que ele carece…a terapia celular selectiva oferece nova vida a um organismo em padecimento ou doente”
• CONCLUIU NIEHANS:
“ É uma terapia selectiva que visa desenvolver órgãos atrofiados ou regenerar aqueles que não são já capazes de o fazer”
(NIEHANS, P.: INTRODUCTION TO CELLULAR THERAPY, cit. por Wilson, J.L.: Live cell…)
E ACRESCENTA QUE MESMO PACIENTES SEVERAMENTE DOENTES, TOLERAM EXCEPCIONALMENTE BEM O TRATAMENTO, JAMAIS TENDO SIDO DETECTADO QUALQUER PROBLEMA SECUNDÁRIO GRAVE NOS SEUS 45.000 TRATAMENTOS.

CIÊNCIA
• Em 1960, um estudo de contraste radioactivo levado a cabo separadamente nas Universidades de Viena e de Heidelberg, mostrou inquestionavelmente, que os constituintes vitais de uma glândula retirada dum bezerro, quando injectadas num ser humano, íam directamente para a mesma glândula ou órgão. Era evidente que as células vivas ofereciam um conjunto bioquimicamente único, especificamente necessário para reparar a glândula ou órgão doente, não susceptível de ser obtido de outra forma.
Relativamente à preocupação, que alguns de nós tem, relativamente à potencial reacção anticorpo/antígeno no que respeita à utilização da terapia celular, até à presente data, nenhuma reacção adversa foi constatada.

PONTO DA SITUAÇÃO
• A TERAPIA CELULAR, PORÉM, COM A HONROSA EXCEPÇÃO DA CLÍNICA DE NIEHANS E UMA OU OUTRA NOS EUA E NO MÉXICO, COLHEU POUCO INTERESSE, A PARTIR DOS ANOS 50, DA PARTE DA COMUNIDADE MÉDICA ALOPÁTICA, FRUTO NÃO SÓ DA INVOCADA FALTA DE QUALIDADE DOS EXTRACTOS CELULARES UTILIZADOS, MAS SOBRETUDO DECORRENTE DO FACTO DAQUELA ESTAR MUITO MAIS ENTUSIASMADA COM AS HORMONAS SINTÉTICAS E COM QUÍMICOS DE GERAÇÃO TERAPÊUTICA, SUPOSTAMENTE, AVANÇADA.

A MEDICINA ALTERNATIVA E O RENASCER DA TERAPIA CELULAR
HÁ QUE DIZER QUE A TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS SE MANTEVE ACTIVA E SE DESENVOLVEU DE FORMA A HOJE NOS BRINDAR UMA TÉCNICA TERAPÊUTICA DE EXCELÊNCIA, GRAÇAS À PRESERVERANÇA DE NATUROPATAS QUE TÊM DEDICADO AS SUAS VIDAS AO ESTUDO, DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DAS MEDICINAS ALTERNATIVAS E DAQUELES POUCOS MÉDICOS QUE TÊM OUSADO PENETRAR NO ÂMBITO DESTAS.
NA VERDADE, OS MAIORES INIMIGOS DA CELL THERAPY SÃO, DESDE SEMPRE, AS GRANDES E PODEROSAS EMPRESAS FARMACÊUTICAS, CUJA ÚNICA MOTIVAÇÃO RESIDE NO FABRICO DE PÍLULAS ALTAMENTE RENTÁVEIS E QUE NUNCA ENCARARAM COM BONS OLHOS AS SOLUÇÕES TERAPÊUTICAS QUE CONDUZEM À CURA E QUE AMEÇAM INVIABILIZAR-LHES O NEGÓCIO.

ACTUALIDADE
• É SOBRETUDO NA DÉCADA DE 90 QUE SE DÁ UMA VIRAGEM ASSINALÁVEL NA TERAPIA CELULAR, COM O INÍCIO DA PRODUÇÃO DE EXTRACTOS DE CÉLULAS VIVAS DE ALTA QUALIDADE.
• E É APENAS NOS ÚLTIMOS 3 ANOS QUE UMA FORMA ÚNICA, PATENTEADA, DE EXTRACÇÃO DAS CÉLULAS DE TECIDOS, NOS LEVA A UM STANDARD DE QUALIDADE JAMAIS OBSERVADO E NOS PROPORCIONA UM REFINAMENTO TERAPÊUTICO OUTRORA IMPENSÁVEL
• COM EFEITO, OS EXTRACTOS QUE TRABALHAMOS CONTÊM APENAS OS ASPECTOS BENÉFICOS DAS CÉLULAS, COM REMOÇÃO DAS PAREDES CELULARES E OUTROS DETRITOS, SENDO ASÉPTICOS, ESTÉREIS E SEM CONSERVANTES.

É ÚNICA
• NAS ÚLTIMAS 2 DÉCADAS ASSISTIMOS A UMA CRESCENTE PROCURA DAS SOLUÇÕES NATURAIS DE SAÚDE E A UM AUMENTO EXPONENCIAL DO NÚMERO DE PRODUTOS NATURAIS E TAMBÉM DOS QUÍMICOS.
• TODOS NÓS NA MEDICINA NATURAL VAMOS DANDO AOS NOSSOS PACIENTES VITAMINAS, MINERAIS, AMINOÁCIDOS, OLIGOELEMENTOS, PLANTAS,
PORÉM
• A TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS É A ÚNICA QUE PODE, DEMONSTRADAMENTE, REGENERAR CÉLULAS E TECIDOS. “ELA CURA O INCURÁVEL E REGENERA OS TECIDOS QUE SUPOSTAMENTE SERIA IMPOSSÍVEL REGENERAR”
.(James L. Wilson, Ph.D)

CASOS CLÍNICOS
(RELATADOS POR A. VAILLANCOURT, 2000)
1º CASO
• Mulher de 76 anos que apôs transfusão sanguínea contraíu hepatite B, em lista de espera para transplante hepático e com agendamento de forte corticoterapia.
• Não querendo sumeter-se à corticoterapia e percebendo que o transplante poderia ser fatal na sua idade, recorreu à medicina alternativa e o naturopata colocou-a de imediato com um extracto celular congelado de timo (toma oral).
• Mantendo as regulares análises que vinha fazendo, foi-se, gradualmente, observando o decréscimo dos enzimas hepáticos e, também, a diminuição da fadiga que a acometia.
• Apôs 8 meses os seus enzimas hepáticos estavam pela 1ª vez, desde que contraíra a doença, normalizados, recuperara peso e a sua fadiga desaparecera.

2º CASO
• Criança do sexo masculino, com 8 anos de idade, sofrendo de bronquíolite aguda, tosse severa e abundante descarga nasal.
• Vista em consulta, o naturopata colocou-a num extracto de timo em spray.
• No curtíssimo espaço duma hora apôs a aplicação, diminuíram os acessos de tosse e a expectoração.
• Dois dias depois, a criança foi dada como clinicamente curada da bronquíolite.

3º CASO
• Mulher de 58 anos diagnosticada com fibromialgia, incapaz de caminhar mais de 10 minutos e sentindo tonturas e dor ao respirar e a tomar 400mg de Ventolin e Beclovent à razão de 400mg, de cada, 2 a 4 vezes ao dia, para refrear os acessos asmáticos.
• Foi colocada em terapia Celular.
• Ao fim de 3 semanas já conseguia respirar melhor e já não apresentava tremuras e palpitações, não tossia e conseguia dormir melhor. Conseguia caminhar durante 30 minutos, sem dificuldades respiratórias e sem tonturas.
• Deixou de ter necessidade de tomar a medicação.

4º CASO
• Mulher com 35 anos, também com fibromialgia, com dores muito acentuadas nas pernas, joelhos, lombares, ombros, pescoço e cefaleias de tal forma forma intensas que havia já tentado o suícidio por 3 vezes.
• Foi colocada em terapia celular (LCE)
• Apôs 4 semanas as suas dores tinham regredido em 80%, bem como desaparecera o SPM e a sua excessiva sensibilidade ao frio, e tornara-se mais funcional no trabalho. Teve, também, melhorias notáveis do ponto de vista emocional.

5º CASO (RELATADO POR H. Benedict, 1995)
• Mulher com 39 anos com queixas de dor severa na anca e nas costas. As radiografias mostravam uma total erosão da cartilagem na sua anca direita. Havia sido prescrita intervenção cirúrgica pelo médico que a acompanhava.
• Procurou uma solução alternativa e um terapeuta colocou-a em terapia celular (LCE).
• Em 2 semanas a paciente reportou o desaparecimento da dor.
• Apôs 6 semanas e feitura de Rx, revelou já regeneração parcial da cartilagem
• Apôs nova visita ao seu médico este entendeu não fazer já qualquer sentido a prevista intervenção cirúrgica.

6º CASO (Relatados por J. Wilson, 2000)
• Homem de 21 anos, esquiador profissional, apôs efectuar um salto ao descer uma montanha, caiu e esmagou 2 vértebras lombares.
• O médico assistente disse-lhe que, previsivelmente, não voltaria a andar.
• A mãe inconformada buscou ajuda alternativa e o terapeuta colocou-o em Terapia Celular (LCE e T).
• 8 semanas depois o jovem voltara a caminhar.
• Alguns meses mais tarde a mãe voltou para pedir ajuda porque o filho, ao esquiar, fizera uma rotura dos ligamentos do joelho.

COMO FUNCIONA?
• AS CÉLULAS EMBRIÓNICAS DE TECIDOS ESPECÍFICOS SÃO RETIRADAS E IMEDIATAMENTE ULTRACONGELADAS.
• O PACIENTE FAZ A TOMA ORAL DO PRODUTO, DE UMA FORMA APROPRIADA, SENDO QUE AS CÉLULAS SÃO RAPIDAMENTE ABSORVIDAS PARA A CORRENTE SANGUÍNEA.
• AÍ, O MATERIAL CELULAR, É CONDUZIDO PELOS MACRÓFAGOS PARA O ÓRGÃO HUMANO ALVO, ONDE É DEPOSITADO.
• AS CÉLULAS SAUDÁVEIS RECÉM-CHEGADAS “COLAM-SE” ÀS CÉLULAS HUMANAS DANIFICADAS E INDUZEM UMA ACTIVIDADE CORRECTORA, USANDO A MESMA CONHECIDA HABILIDADE DAS CÉLULAS DE SE AUTOREPARAR.

QUE PATOLOGIAS PODE TRATAR?
• O LEQUE DE PATOLOGIAS EM QUE TEM SIDO UTIZADA É MUITO VASTO.
• Desde problemas CUTÂNEOS (psoríase, eczemas) ARTERIOESCLEROSE, DISTROFIA MUSCULAR, DEFEITOS CONGÉNITOS, ATRASO FISICO E MENTAL, DOENÇAS AUTOIMUNES (esclerose múltipla, fibromialgia, crohn, etc) ALZHEIMER, PARKINSON, DOENÇA RENAL CRÓNICA, PARALISIA PÓS-AVC, MALFORMAÇÕES, DISPLASIAS CONGÉNITAS, até ao AUTISMO.
• MAS ONDE OS ESTUDOS CIENTÍFICOS TÊM JÁ PROVAS DEFINITIVAS SOBRE A SUA INCONTORNÁVEL EFICÁCIA É EM OFTALMOLOGIA, NA ARTRITE REUMATÓIDE E NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO do CANCRO E NO ANTI-ENVELHECIMENTO.

II – PARTE
TERAPIA CELULAR e ENVELHECIMENTO

• Os danos somados ao nível molecular no ADN, resultantes da afectação estrutural e funcional do organismo pelo acumular de alterações fortuitas decorrentes do envelhecimento, conduz-nos a um comprometimento da homeostasia geral do nosso organismo e torna-nos mais vulneráveis ao stress ambiental.
• O envelhecimento está ainda ligado à diminuição do metabolismo, ao decréscimo das células activas e ao aumento da sua taxa de mutação.
Vários factores são apontados como chave para o envelhecimento:
• O decréscimo da imunidade (através da involução do Timo);
• O decréscimo hormonal (Eixo HPA, hormonas sexuais e neurotransmissores);
• Acréscimo dos radicais livres (dano mitocondrial);
• Perda do equilibrio proteico (Metaloproteinases da Matriz versus Matriz Extracelular);

TRATAMENTO ANTI-AGING
1º – Reforçar o sistema imunitário reactivando a funcionalidade do Timo com extracto de timo que demonstrou uma proliferação das células mononucleares de sangue periférico (células T), quatro vezes superior à equinácea, em concentrações equivalentes;
2º – Regular o Eixo HPA (Hipotálamo, pituitária, adrenais), através de extracto de adrenais;
3º – EXTRACTO DE MESÊMQUIMA (A PARTIR DE TECIDO CONJUNCTIVO EXTRA-EMBRIÓNICO DE MAMÍFEROS). TRATA-SE DE CÉLULAS INDIFERENCIADAS QUE, NAS CONDIÇÕES APROPRIADAS, SE PODEM TRANSFORMAR EM QUALQUER TIPO DE CÉLULA E RESTAURAR OS DANOS DO ENVELHECIMENTO NOS TECIDOS. ADICIONALMENTE O EXTRACTO DE MESÊNQUIMA TEM A CAPACIDADE DE AUMENTAR O METABOLISMO MITOCONDRIAL, A FONTE PRIMÁRIA DE ENERGIA AERÓBICA DAS CÉLULAS.
4º – Regular o equílibrio proteico:
• As Metaloproteinases (MMPs) são produzidas pelos condrócitos e fibroblastos e são um particular tipo de enzimas que atingem e fragmentam as fibrosas proteínas da Matriz Extracelular (ECM). Esses enzimas podem clivar a maioria se não mesmo todos os componentes da matriz extracelular ;
• Mas esses condrócitos e fibroblastos também produzem inibidores das MMPs que têm a função de refrear a função proteolítica destas.
• Do justo equilibrio entre estas duas actividades celulares opostas depende a saúde e a integridade da cartilagem e da matriz tecidular.
• Com a idade e diversas outras condições, a actividade das células como os condrócitos e fibroblastos pode sofrer alterações, comprometendo o equílibrio entre a produção e a ruptura dos componentes da matriz extracelular. Nestas condições, o equilíbrio entre as MMPs e os seus inibidores não é mais respeitado, sendo geralmente a actividade enzimática das primeiras a que predomina. Esta actividade pode levar à degradação da rede de colagénio.
• Mas as MMPs influenciam ainda importantes processos celulares e imunitários através de mecanismos proteolíticos de moléculas bioactivas, como citoquinas e factores de crescimento.
• As MMPs estão hiperactivas em numerosos modelos de doenças inflamatórias e processos degenerativos, tais como Alzheimer, Parkinson, Degeneração Macular, Artrite Reumatóide, Osteoartrite, Esclerose Múltipla, Esclerose Lateral Amiotrófica, Ateroesclerose, Colite, Periodontite, Psoríase, Asma, Doença Pulmonar Obstructiva, Efisema e Desenvolvimento de Aneurisma (A. Dove, 2002).
COMO CONTROLAR AS MMPs?
• Através de LCE (Liquid Cartilage Extract) que contém moléculas naturais que podem travar a actividade proteolítica das MMPs;
• LCE tem uma acção anti-inflamatória e analgésica já demonstrada (J.B.Fontenele et al., 1996);
• LCE preserva a integridade da matriz extracelular na cartilagem, tendões, pele e outros tecidos.

CONCLUSÃO

• NÃO SÓ QUEREMOS COMO PODEMOS VIVER MAIS TEMPO MAS TAMBÉM O QUEREMOS FAZER COM MAIS QUALIDADE;
• UM CONHECIMENTO MAIS APROFUNDADO SOBRE O PROCESSO DE ENVELHECIMENTO DÁ-NOS HOJE ELEMENTOS DE COMO ENVELHECER BEM:
• DIETA E EXERCÍCIO FISICO ADEQUADOS SÃO INDISPENSÁVEIS;
• A SUPLEMENTAÇÃO COM CÉLULAS VIVAS E EXTRACTOS GLANDULARES ASSUME-SE HOJE COMO A FORMA PRIVILIGIADA E IMPERIOSA PARA MANTERMOS A HOMEOSTASE CORPORAL;
• ESTES EXTRACTOS CONTÊM FACTORES CELULARES ACTIVOS CONCENTRADOS E MOLÉCULAS DE SINALIZAÇÃO CELULAR (MENSAGEIROS INTERCELULARES) INDISPENSÁVEIS AO BOM FUNCIONAMENTO ORGÂNICO.

III – PARTE
TERAPIA CELULAR e CANCRO

• Relativamente à prevenção e tratamento do cancro, a Medicina Natural tem sempre posto o ênfase no reforço do sistema imunitário, entendendo tal patologia como uma manifestação duma disfunção crónica, sistémica e metabólica.
• Já do ponto de vista da Medicina Alopática, esta veio insistindo ao longo dos anos na quimioterapia, radioterapia e na cirurgia, com vista à supressão dos sintomas e apenas recentemente se abriu a uma nova área de investigação e intervenção terapêutica, na qual se põe, finalmente, em destaque o sistema imunitário.

• Mas o protocolo de tratamento do cancro, a par dos pressupostos imunitários, de correcção sistémica e metabólica, tem de levar em consideração, perante os actuais conhecimentos científicos, um fenómeno directamente envolvido no surgimento das tumorações, no seu crescimento e dessiminação (bem como em outras severas patologias como é o caso da cegueira causada por diabetes)
• Esse fenómeno dá pelo nome de ANGIOGÉNESE PATOLÓGICA, e está hoje completamente avalizado cientificamente desde a aprovação do Avastin (Medicamento aprovado pela FDA em 26/02/2004 para inibir a angiogénese patológica no tratamento do cancro do cólon e recto já metastisado e do pulmão, em combinação com outros químicos).

O QUE É A ANGIOGÉNESE?
1º Tata-se duma função fisiológica natural responsável pela criação de novos vasos sanguíneos para levarem oxigénio e outros nutrientes vitais às células e apoiar o crescimento e a cura/reparação;
2º É um processo dependente , no seu equilibrio, da relação existente no organismo entre factores angiogénicos e anti-angiogénicos;
3º São factores preponderantes neste processo os Factores de Crescimento Endotelial Vascular (VEGF) e as Metaloproteinases da Matriz (MMPs);
4º Em todo este processo o mais importante é a estabilidade dos vasos sanguíneos;
5º A angiogénese patológica surge sobretudo em virtude duma proliferação das VEGF, das MMPs, e das Células Endoteliais, em virtude de inflamação ou stress mas, também, por hipóxia (baixo teor de oxigénio nos tecidos orgânicos).

• Para quem, como nós, prefira as intervenções naturais em detrimento das soluções sintéticas, nunca isentas de efeitos secundários, a primeira ideia que nos vem à mente é a de um conjunto de “simples”ao nosso dispôr:
• Sementes de linho, alho, chá verde, Panax Ginseng, Cardo Mariano, Curcuma Longa, Soja, Noni, Romã, Tomate e Cartilagem de Tubarão.
• É verdade que todos eles contêm factores anti-angiogénicos, o problema é que nem sempre na disponibilidade e intensidade terapêutica desejável.

ANGIOGÉNESE PATOLÓGICA e CANCRO
• ESTUDOS PRÉ-CLÍNICOS E CLÍNICOS ENOLVENDO CERCA DE 3 MILHARES DE PACIENTES NOS E.U.A., CANADA E U.E, APONTARAM QUE UMA EFICAZ INIBIÇÃO DA ANGIOGÉNESE LEVA A UMA IMPRESSIONANTE TAXA DE SUCESSO NO PROLONGAMENTO DA VIDA DE PACIENTES COM CANCRO EM ESTÁDIO AVANÇADO (ESTÁDIO IV) E METASTISADO. EM 2 DESSES ESTUDOS EM PACIENTES COM CANCRO DO PULMÃO E RIM A ESPERANÇA MÉDIA DE VIDA FOI ALARGADA EM 108%;
• EM TODOS ESTES ESTUDOS FOI UTILIZADO EXTRACTO LIQUIDO DE CARTILAGEM DE TUBARÃO (LCE), ISTO É, TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS (A. Thibodeau, 2002)
• Devido à presença de péptidos e outros factores de sinalização, a LCE ajuda a manter a estrutura e função da Matriz Extracelular (EM), bem como apoia as articulações e o tecido conjuntivo. Os compostos orgânicos presentes no LCE garantem o bom funcionamento das MMPs. Especificamente as MMP-2, MMP-9 e MMP-12 (também conhecidas, respectivamente, como gelatinase A, B e metaloelastase), demonstraram estar envolvidas na ruptura quer da Matriz Extracelular, quer da Lâmina Basal Vascular e, ainda, da cartilagem.
Demonstradadmente, os estudos sugerem que dado nos momentos iniciais da doença o LCE pode efectivamente travá-la.

O LCE inibe o crescimento das células endoteliais de 2 formas:
1º – Prevenindo que os VEGFs atinjam o seu receptor na superfície das células. Desta forma, a cascata de células que os VEGFs iríam produzir é inibida;
2º – Prevenindo uma específica activação das MMPs, estimulando a aptose em células endoteliais proliferativas e promovendo a produção de angiostatina que é um inibidor endógeno da angiogénese.

CONCLUSÕES
1ª – O LCE tem um efeito anti-angiogénico insuperável, mas ainda um efeito anti-inflamatório e analgésico;
2ª – O LCE prolonga a esperança média de sobrevivência em pacientes com graus avançados de cancro, e elimina as metástases;
3ª – O LCE demonstrou ainda ter a capacidade para manter uma contagem normal de células sanguíneas, aumentar o nível do hematócrito e a concentração de hemoglobina. Desta forma contrariando a anemia que é um dos riscos acrescidos de morte em pacientes com cancro (a hipóxia promove a angiogénese e o cancro);
4ª – O LCE dado nos momentos iniciais da doença pode travá-la;
(E.Dupont et al., 2003)

TRATA-SE DUM NOVO PARADIGMA NO TRATAMENTO DO CANCRO
• “AS THE MOLECULAR MECHANISMS OF ENDOGENOUS INHIBITORS ARE REVEALED, TREATMENT WITH A COCKTAIL OF ANTI-ANGIOGENIC AGENTS MIGHT BECAME THE NORM”
(R.K. Jain, Nature Medicine, 2001,7, 987-9)

A TERAPIA COM CÉLULAS VIVAS É UMA SOLUÇÃO NATURAL , ÚNICA, INOVADORA E VERDADEIRAMENTE EXCEPCIONAL

BIBLIOGRAFIA
– Ahrens, D., Koch, A.E., et al.: Expression of matrix metalloproteinase 9 (96-kd gelatinase B) in human rheumatoid arthritis, Arthritis Rheum., (1989) 39(9):1576-1587;
-Brown, P.D.: Ongoing trials with matrix metalloproteinase inhibitors. Expert Opin. Investig.Drugs., (2000) Set, 9(9):2167-77;
-Berbari, P., Thibodeau, A., Germain, L., Saint-Cyr,,M.,Gaudreau, P., Elkhouri, S., Dupont ,E., Garrel D.R.,Elkouri, S., El-Khouri, S.: Antiangiogenic effects of the oral administration of liquid cartilage extract in humans, J.Surg. Res., 1999 Nov., 87(1):108-13;
– Caplan, A.I.: The mesengenic process, Clin. Plast. Surg., (1994) Jul; 21(3):429-35;
– Dupont, E., Wang, B., Mamelak, A.J., Howell, B.G., Shivji, G., Zhuang, L., Dimitriadou, V., Falardeau, P., Sauder, D.N.: Modulation of the Contact Hypersensitivity Response by AE-941 (Neovastat), a
Novel Antiangiogenic Agent, J. Cutan. Med. Surg., (2003) Fev. 10;
– Fontenele, J.B., Viana, G.S., Xavier-Filho, J., de-Alencar, J.W.: Anti-inflammatory and analgesic
activity of a water-soluble fraction from shark cartilage, Braz. J. Med. Biol.Res., (1996) Mai. 29(5):643-6;
-Gingras, D., Boivin, D., Deckers, C., Gendron, S., Barthomeuf, C., Beliveau, R.: Neovastat-a novel antiangiogenic drug for cancer therapy, Anticancer Drugs, (2003) Fev.14(2):91-6;
-Goya, R.G., Cónsole, G.M., Hereñú, C.B., Brown, O. A., Rimoldi, O.J. : Thymus and aging:
potential of gene therapy for restoration of encodrine thymic function in thymus-deficient animal
models, Gerontology, (2002) 48: 315-328;
-Gravenstein, S., Duthie, E.H., Miller, B.A., Roecker, E., Drinka, P., Prathipati, K., Ershler,
W.B.: Augmentation of influenza antibody response in elderly men by thymosin-1. A double
blind placebo controlled clinical study, J. Am. Geriatr. Soc., (1989) 37: 1-8;
-Goncharova, N.D., Lapin, B.A.: Effects of aging on hypothalamic-pituitary-adrenal system
function in non-human primates, Mech. Ageing Dev., (2002 ) Abr. 30;123(8):1191-201;
-Iwata, T., Incefy, G.S., Cunningham-Rundles, S., Cunningham-Rundles, C., Smithwick, E., Geller, N.,
O’Reilly, R., Good, R.A.: Circulating thymic hormone activity in patients with primary and
secondary immunodeficiency diseases, Am. J. Med. (1981) Set;71(3):385-94;
-Jain, R.K.: Normalizing tumor vasculature with antiagiogenic therapy: a new paradign for combination therapy, Nature Medicine, (2001) Set., 7(9), 987-9;
– Niehans, P.: Forty-two years of cellular therapy, Ott Verlag Thun, 1955, Suiça;
– Niehans, P.: Introduction to cellular therapy, Ott Verlag Thun, 1960, Suiça;
-Sauder, D.N., Dekoven, J., Champagne, P., Croteau, D., Dupont, E.: Neovastat (AE-941), an
inhibitor of angiogenesis: Randomized phase I/II clinical trial results in patients with plaque
psoriasis, J. Am. Acad. Dermatol., (2002) Out., 47(4):535-41;
Shigenaga, M.K., Hagen, T.M., Ames, B.N.: Oxidative damage and mitochondrial decay in aging,
Proc. Natl. Acad. Sci. U S A., (1994) Nov., 8;91(23):10771-8;
-Skotnicki, A.B.: Therapeutic application of calf thymus extract (TFX). Med. Oncol. Tumor
Pharmacother., (1989) 6(1):31-43;
Thibodeau, A., et Behr, S.: Liquid cartilage extract decreases symptoms of rheumatoid
Arthritis, Townsend Letter for Doctors & Patients, (2002) Mai., 59-62;
-Walker, M.: Sublingual live proteins; mesenchyme, thymus & liquid Shark cartilage,
Townsend Letter for Doctors & Patients, (1994) Out., 1041-1046;
-Walker, M.: Clinical applications of frozen sublingual thymic extract, Townsend Letter for
Doctors & Patients, (1998) Dez., 82-87;
-Wilson, J.L.: Mesenchyme: little known rejuvenating healer, The Original Internist,
(2000) Set., 13-18;
 -Wilson, J.L.: Live cell tissue extracts: Little known therapy with great promise, Townsend Letter for
Doctors & Patients, (2000) Ago/Set., 72-78;
-Wilson, J.L.: The use of adrenal cortical extracts in adrenal fatigue, Townsend Letter for Doctors
& Patients, (2000) Dez., 83-87.

(O presente artigo foi publicado na Revista “Consciências” do Centro Transdisciplinar de Estudos da Conciência, da Universidade Fernando Pessoa, nº3 (2007), pags. 59-75)

Discussão

Ainda sem comentários.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Siga no Twitter

  • Animo Tito!! Vais conseguir vencer mais esta batalha... 3 years ago


Arquivos

Categorias

Visitas

  • 5,487

Direitos Reservados

Creative Commons License
©2011

%d bloggers like this: